quarta-feira, 3 de junho de 2009


Os olhos negros fitam a chuva lá fora.
Aquele olhar firme da menina atravessa a camada de vidro da janela do seu quarto. A janela amiga. Sua única ligação com o mundo lá fora naquele momento.
Ela pode ver os pneus deslizando pelo asfalto e fazendo a água jorrar por sobre as calçadas. Ela pode ver pessoas que vão e vem. Umas correm da chuva, outras protegem-se através do fino tecido de um guarda-chuva, e é sempre assim quando está chovendo.
Tédio. As ruas ficam vazias, os apartamentos cheios. Pessoas dorme aquecidas em suas camas, outras dormem enroladas em papelão embaixo de alguma ponte. Alguns ficam vendo outra realidade em alguma obra cinematográfica enquanto tomam um chocolate quente, outras ficam vendo a dura realidade de sua vida tentando se abrigar em alguma puxada de uma loja enquanto passam fome.
Tanta coisa pra temer, e as pessoas temem a chuva. Tolos.
O vidro da janelafica embaçado e vagarosamente ela desliza a mão sobre ele para tornar a imagem nítida novamente. Um rosto surge em meio a chuva. Um rosto sorridente.
Um garoto. Deve ter mais ou menos a mesma idade que ela. Ele brinca. E dança e canta e pula na chuva.
Ele tem cabelos claros, molhados. Uma camiseta que seria branca se não fosse pela sujeira impregnada nela e um shorts vermelho. Ele está descalço. Ela acha intrigante, ele não corre da chhva.
Ele joga as mãos para o céu e deixa a cuva banhá-lo; Gira, gira, gira e pula. E repete tudo outra vez. E ela ri, acha graça e ri.
Ele para e olha na direção dela. Os olhos dos dois se encontram, ela observa os olhos cor de mel dele. Um minuto. Parecia que o mundo tinha parado. Ele sorri. Ela também.
E ele segue seu caminho ainda dançando na chuva. Ele se foi com o vento, igualmente como viera.
Ele se foi. A chuva se foi. O dia se foi.
Agora ela espera que chova de novo, pra que ela possa sentar-se à janela e aguardar que ele dance na chuva pra ela novamente.
Ela espera rever os olhos cor de mel do vagabundo que sem querer roubou o coração daquela dama. Ela vai esperar pacientemente para rever seu primeiro amor e quem sabe dessa vez dançar na chuva ao lado dele.

5 comentários:

Saori/Lulu disse...

Como sempre lindo! Achei esse texto tão profundo e melancólico!

Hei, já viu isso aqui > http://www.radioblast.com.br/story/2009/06/miyavi-confirma-seu-segundo-show-no-brasil-para-o-dia-13-de-outubro Senhorita Miyavi? Oh pergunta, claro que já viu 8DDDD

Bjs!!

Arlequim disse...

Liindo.
Adorei. Adorei. Adorei.
Também quero dançar na chuva.
Mas no verão, por favor; com esse frio não dá..haha

saudades daqui.
saudade de vc.
Beijão

Kyrie disse...

Nicee

Wasted Cigarettes disse...

Me perdi um pouco no sentido do texto. Mas ficou legal!

beijos querida!

O Profeta disse...

Não há longe, teu mundo a ilha
Tens andar gingão mesmo à maneira
O verde é manto que te afaga os pés
O mar é o teu azul por cabeceira

Passos ao encontro
Alma cheia de cor e ilusão
Braços abertos à aventura
O mundo na palma da mão

Bom fim de semana


Mágico beijo